Sindauto BA se articula para amenizar crise no setor pós-quarentena

Publicada em 03-26-20

Visando minimizar os feitos da suspensão do serviço dos Centros de Formação de Condutores, durante as primeiras medidas de enfrentamento do Coronavírus, o Sindauto Bahia tomou iniciativas importantes, em defesa da categoria. Além de solicitar às empresas terceirizadas a suspensão do bloqueio e da cobrança de juros/multa de CFCs com boletos em aberto num período de 90 dias, a diretoria enviou ofícios para deputados federais, estaduais e para o Detran-BA pleiteando algumas demandas vitais para a sobrevivência do segmento.

 

Entre os pedidos estão: a suspensão das renovações de credenciamento dos CFCS no ano de 2020; a publicação da portaria que regulamenta os Centros Compartilhados de Ensino Teórico-Técnico (CENTRO “A”), a fim de diminuir as despesas dos CFCs;a redução pela metade alíquota de ISS, alvarás de funcionamento e TVLs em cada município, apoio para a viabilização de uma linha de crédito especial para empresários do segmento, mesmo negativados, a fim de que possam quitar dívidas existentes e honrar despesas, inclusive, as trabalhistas; suspender para o ano de 2021 a exclusão dos veículos dos CFCS com vencimento neste ano; permitir a emissão de LADV no Sindauto; implantar uma base de captura e digital na sede do Sindauto e Delegacias Regionais, a fim de acelerar o início do processo de habilitação de futuros candidatos, entre outras questões.

“Sabemos que, mesmo com nosso breve retorno após o período de quarentena, continuaremos num cenário de crise instaurado pela pandemia. Por isso, seremos proativos e incansáveis para buscar todas as formas possíveis de atenuar os prejuízos para o segmento, a fim de conseguir manter nossas portas abertas e evitar demissões em massa”, explica o presidente do Sindauto Bahia, Wellington de Oliveira. 

Os ofícios elaborados pelo Sindauto Bahia serviram como referência para a Feneauto defender a categoria em âmbito nacional.